QUALIDADE DE VIDA DE IDOSAS INSTITUCIONALIZADAS NA CIDADE DE FORTALEZA/CE

Autores

  • Sra. Danielle de Oliveira Lima
  • Sra. David Jonathan Nogueira Martins
  • Sr. Diego Bastos Gonzaga
  • Sr. Francisco Cid Coelho Pinto
  • Sra. Geórgia Maria Lopes da Silva Diógenes
  • Dr. Cristiano Teles de Sousa
  • Dr. Vasco Pinheiro Diógenes Bastos

Palavras-chave:

Envelhecimento, Saúde do idoso institucionalizado, Qualidade de vida

Resumo

A partir do aumento da expectativa de vida, a preocupação com a qualidade de vida na velhice ganhou relevância nas últimas décadas. O estudo teve como objetivo analisar a qualidade de vida do idoso institucionalizado na cidade de Fortaleza/CE. Trata-se de uma pesquisa descritiva e transversal, desenvolvida em uma instituição filantrópica, mediante a aplicação de questionário de qualidade de vida e instrumento de coleta ao Gestor. Os resultados mostram que 41% das idosas possuem 1 ano de institucionalização. Quanto à qualidade de vida, o maior escore foi no domínio físico (71,27) e o menor no meio ambiente (53,68). O gestor destacou que a instituição oferece tranquilidade, cuidados e clima de paz, entretanto vê-se a necessidade de prestar assistência pessoal aos mesmos, tais como terapia ocupacional, lazer e exercícios físicos. Conclui-se que a qualidade de vida na população estudada mostrou-se satisfatória para a manutenção de um envelhecimento adequado.

Biografia do Autor

Sra. Danielle de Oliveira Lima

Fisioterapeuta - Centro Universitário Estácio do Ceará – FIC.

Sra. David Jonathan Nogueira Martins

Discente do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário Estácio do Ceará – FIC.

Sr. Diego Bastos Gonzaga

Discente do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário Estácio do Ceará – FIC.

Sr. Francisco Cid Coelho Pinto

Discente do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário Estácio do Ceará – FIC.

Sra. Geórgia Maria Lopes da Silva Diógenes

Fisioterapeuta – Especialista e Docente do Centro Universitário Estácio do Ceará – FIC.

Dr. Cristiano Teles de Sousa

Fisioterapeuta - Doutor e Docente do Centro Universitário Estácio do Ceará – FIC.

Dr. Vasco Pinheiro Diógenes Bastos

Fisioterapeuta - Doutor e Docente do Centro Universitário Estácio do Ceará – FIC.

Referências

BLOOM, D. Billion and counting. Science, v. 333, p. 562-569, 2011.

BRASIL. Lei nº 12.213 de 20 de janeiro de 2010. Institui o Fundo Nacional do Idoso e autoriza deduzir do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas as doações efetuadas aos Fundos Municipais, Estaduais e Nacional do Idoso; e altera a Lei no 9.250, de 26 de dezembro de 1995. Diário Oficial da União, Brasília, 21 jan. 2010.

CAMACHO A. C. L. F., COELHO, M. J. Políticas públicas de saúde do idoso: revisão sistemática. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 63, n. 2, p. 279-284, 2010.

CAMARANO, A. A., KANSO, S. Como as famílias brasileiras estão lidando com os idosos que demandam cuidados e quais as perspectivas futuras? A visão mostrada pelas PNADs. In: Camarano A. A. (Org.). Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? Rio de Janeiro, RJ: Fundação Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2010. p. 93-122.

CAMARANO, A. A.; KANSO, S.; FERNANDES, D. C. Saída do mercado de trabalho: qual é a idade? Boletim Mercado de Trabalho - Conjuntura e Análise, v. 51, maio 2012.

CAMARANO, A. A., MELLO, J.L. Cuidados de longa duração no Brasil: O arcabouço legal e as ações governamentais. In: CAMARANO, A. A. (Org.). Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? Rio de Janeiro, RJ: Fundação Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2010. p. 67-92.

COVINSKY, K. E. et al Health status versus quality of life in older patients: does the distinction matter? The American Journal of Medicine, v. 106, p. 435-440, abr.1999.

FALCÃO, D. V. S., BUCHER-MALUSCHKE, J. S. N. F. Resiliência e saúde mental dos idosos. In: FALCÃO, D. V. S.; ARAÚJO, L. F. (Org.). Idosos e saúde mental. São Paulo: Papirus, 2010, p. 33-52.

FERREIRA, F. P. M. et al. População e políticas: tendências e cenários para Minas Gerais. Cadernos BDMG, n. 21, outubro 2012.

FLECK, M. P. A.; TRENTINI, C. M.; CHACHAMOVICH, E. Qualidade de vida em idosos. In: FLECK, M. P.A. et al (Org.). Avaliação da qualidade de vida: guia para profissionais da saúde. Porto Alegre: Artmed, 2008.

GÓIS A. L. B., VERAS R. P. Informações sobre a morbidade hospitalar em idosos nas internações do Sistema Único de Saúde do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva; v.15, n.6, p.2859-2869, 2010.

GARBIN, C. A. S. et al. O envelhecimento na perspectiva do cuidador de idosos. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, n. 6, p. 2941-2948, 2010.

IBGE. Um Panorama da Saúde no Brasil - Acesso e utilização dos serviços, condições de saúde e fatores de risco e proteção à saúde, Rio de Janeiro, 2010.

_____. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Perfil dos idosos responsáveis pelos domicílios no Brasil, 2000. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2015.

KANSO S. Causas de morte evitáveis para a população idosa. 2011. 125f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, 2011.

LEE, R. The Demographic Transition: Three centuries of fundamental change. Journal of Economic Perspectives, v. 17, n. 4, p. 167–190, 2003.

MOLZAHN A. et al. The importance of facets of quality of life to older adults: an international investigation. Revista Quality of Life Research; v.19, p. 293-98, 2010.

MARTINS, M. S.; MASSAROLLO, M. C. K. B. Mudanças na assistência ao idoso após promulgação do Estatuto do Idoso segundo profissionais de hospital geriátrico. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 42, n. 1, p. 26-33, mar. 2008.

NÉRI, A. L. et al. Relationships between gender, age, family conditions, physical and mental health, and social isolation of elderly caregi-vers. International Psychogeriatrics, v. 24, n. 3, p. 472-483, 2012.

NERI, A. L. Qualidade de vida na velhice. In: REBELLATO, J. R.; MORELLI, J. G. S. Fisioterapia Geriátrica: a prática da assistência ao idoso. São Paulo: Ed. Manole, 2004, p.01-36.

SALGUEIRO, H. D. Determinantes psicossociais da depressão no idoso [2007]. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2015.

THOBER, E.; CREUTZBERG, M.; VIEGAS, K. Nível de dependência de idosos e cuidados no âmbito domiciliar. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 58, n. 4, p. 438-443, jul./ago. 2005.

VERAS R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Revista de Saúde Pública, v. 43 n. 3 p. 548-54, 2009.

Publicado

01.12.2015

Como Citar

de Oliveira Lima, D. ., Nogueira Martins, D. J. ., Bastos Gonzaga, D., Cid Coelho Pinto, F. ., Lopes da Silva Diógenes, G. M., Teles de Sousa, C., & Pinheiro Diógenes Bastos, V. . (2015). QUALIDADE DE VIDA DE IDOSAS INSTITUCIONALIZADAS NA CIDADE DE FORTALEZA/CE. Revista De Saúde Pública De Santa Catarina, 8(03). Recuperado de https://revista.saude.sc.gov.br/index.php/periodicorevista/article/view/157