PERFIL DE USUÁRIOS QUE BUSCAM ATENDIMENTO FISIOTERAPÊUTICO PARA INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM UM CENTRO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE

Autores

  • Sra. Cássia Colla
  • Dra. Angela Peña Ghisleni
  • Dra. Luciana Laureano Paiva

Palavras-chave:

Incontinência urinária, Fisioterapia, Envelhecimento, Sistema Único de Saúde

Resumo

A Incontinência Urinária, definida como qualquer perda involuntária de urina, é reconhecida como um problema de saúde pública multifatorial e que tem a opção terapêutica da Fisioterapia. Este trabalho objetiva descrever o perfil de usuários da atenção básica do Sistema Único de Saúde que buscaram atendimento fisioterapêutico para Incontinência Urinária em um Centro de Saúde de Porto Alegre, entre março de 2012 e abril de 2014. Trata-se de um estudo transversal, documental e retrospectivo, de abordagem quantitativa. Foram analisadas as anamneses de 95 pacientes (84 mulheres e 11 homens). A média de idade das mulheres foi 63 anos e 65,5 anos para os homens. O tempo desde o início dos sintomas obteve média de 25 anos entre as mulheres e 11 meses entre os homens. Entre as mulheres, 13,2% apresentam Diabete Mellitus, 48,8% relatam Hipertensão Arterial Sistêmica e 48,8% realizaram cirurgia pélvica. A média de partos foi 6,5 (59,5% parto normal -30,9% com fórceps e 64,3% com episiotomia -, 9,5% cesariana e 26,2% ambos). Entre os homens, 36,3% apresentam Diabete Mellitus, 54,5% Hipertensão Arterial Sistêmica e 72,7% realizaram prostatectomia. O perfil de pacientes demonstrado nesse estudo foram adultos e idosos com mais de 40 anos, sobretudo mulheres que realizaram parto normal ou cirurgias pélvicas. No sexo masculino, observou-se alta incidência de pacientes que realizaram prostatectomia. Os pacientes avaliados apresentaram elevado percentual de Hipertensão Arterial Sistêmica. Verificou-se o elevado tempo de convívio com a Incontinência Urinária, principalmente entre as mulheres, por considerarem parte do envelhecimento, demonstrando a necessidade de maior esclarecimento da população acerca do tema.

Biografia do Autor

Sra. Cássia Colla

Fisioterapeuta graduada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Dra. Angela Peña Ghisleni

Fisioterapeuta; Doutora em Sociologia pela UFRGS; Pro fessora ajunta da UFRGS.

Dra. Luciana Laureano Paiva

Fisioterapeuta; Doutora em Gerontologia médica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul;
Coordenadora do curso de Fisioterapia da UFRGS.

Referências

ABRAMS, P. et al. The standardization of terminology in lower urinary tract function: Report from the standardization sub committee of the International Continence Society . Neurology and Urodynamics, v. 21, n. 2, p. 167 78, 2002.

BERGLUND, A. L.; FUGL MEYER, K. Some sexological characteristics of stress incontinence women. Scandinavian Journal of Urology and Nephrology, v. 30, p. 207 212, 1996.

BERLEZI, E. M. et al. Incontinência Urinária em mulheres pós menopausa: um problema de saúde pública. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 12 , n. 2, p. 159 173, 2009.

BUTLER, R. N. et al. Urinary incontinence: keys to diagnosis of the older woman. Geriatrics, v. 54, n. 10, p. 29 30, 1999.

DANFORTH, K. et al. F. Risk factors for urinary incontinence among middle aged women. American Journal o f Obstetrics and Gynecology, v. 194, n. 2, p. p. 339 145, 2006.

DUGAN, E. et al. The quality of life of older adults with urinary incontinence: Determining generic and condition specific predictors. Quality of Life Research Oxford, UK, v. 7, p. 337 344, 1998.

FIGUEIREDO, E. M. et al. Perfil sociodemográfico e clínico de usuárias de Serviço de Fisioterapia Uroginecológica da rede pública. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, SP, v. 12, n. 2, p. 136 142, 2008.

FOLDSPANG, A. et al. Parity as a correlate of adult female urinary incontinence prevalence. Journal of Epidemiology & Community Health,v. 46, n. 6, p. 595-600, 1992.

GUARISI, T. et al. Procura de serviço médico por mulheres com incontinência urinária. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia,v. 23, n. 7, p. 439-43, 2001a.

GUARISI, T. et al. Incontinência urinária entre mulheres climatéricas brasileiras: inquérito domiciliar. Revista de Saúde Pública,São Paulo, v. 35. p. 428-435, 2001b. HIGA, R.; LOPES, M. H. B.; REIS, M. J. Fatores de risco para incontinência urináriana mulher. Revista Escola de Enfermagem USP,São Paulo, v. 42, 1, p. 187-192, 2008.

BISPO JÚNIOR, J. P. Fisioterapia e saúde coletiva: desafios e novas responsabilidades profissionais. Ciência e Saúde Coletiva,Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 1627-1636, 2015.

KLÜBER, L.; MORIGUCHI, E.; CRUZ, I. B. M. A influência da fisioterapia na qualidade de vida de mulheres com incontinência urinária: revisão. Revista de Medicina da PUCRS, Porto Alegre, v. 12, n. 3, p.243-249, 2002.

KRUE, S.et al. The influence of infant birth weight on post-partumstress incontinence in obese women. Archives Gynecology and Obstetrics, Berlin,v.259, n. 3., p. 143-5, 1997.

KUBAGOWA, L. M. et al. A eficácia do tratamento fisioterapêutico da incontinência urinária masculina após prostatectomia. Revista Brasileira de Cancerologia, v. 52, n. 2, p. 179-183, 2006.

LALOS, O.; BERGLUND, A.; LALOS, A. Impact of urinary and climacteric symptoms on social and sexual life after surgical treatment of stress urinary incontinence in women: a long-term outcome. Journal of Advanced Nursing, Oxford, v.33, n. 3, p. 316-327, 2001.

LOPES, M.H.B.L.; HIGA, R. Restrições causadas pela incontinência urinária à vida da mulher. Revista da Escola de Enfermagem USP,São Paulo, v. 40, n. 1, p. 34-41, 2006.

MARINI, G. et al. Importância do modelo animal para testar hipóteses sobre a Fisiopatologia do binômio diabetes e incontinência urinária feminina. Scientia Medica, Porto Alegre, v. 21, n. 4, p. 191-195, 2011.

O’BRIEN, J. et al. Urinary incontinence: prevalence, need for treatment, and effectiveness of intervention by nurse. British Medical Journal, v. 303, n. 23, p. 1308-1312, 1991.

RIBEIRO, J.; RAIMUNDO, A. Satisfação sexual e percepção de saúde em mulheres com incontinência urinária. Análise Psicológica Lisboa, Porto, v. 3, n. 23, p. 305-314, 2005.

SILVA, L.; LOPES, M. H. B. M. Incontinência Urinária em mulheres: razões da não procura por tratamento. Revista da Escola de Enfermagem USP, São Paulo, v. 43, n. 1, 2009.

SOUSA, C. A. P. B. et al. A prevalência da incontinência urinária em pacientes prostatectomizados. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, v. 16, n. 6, p. 129-139, 2012.

TAMANINI, J. T. et al. Incontinência urinária: prevalência e fatores de risco em mulheres atendidas noPrograma de Prevenção do Câncer Ginecológico. Boletim Epidemiológico Paulista, São Paulo, v. 3. p. 17-24, 2006.

WEINBERGER, M.W. Diferential diagnosis or urinary incontinence. In: OSTEGARD D. R.,BENT A. E.; (Orgs). Urodynamics: theory and pratice. Baltimore: Willians, 1997. p. 83–99.

YIP, S. K.; CARDOZO, L. Psychological morbidity and female urinary incontinence. Best Practice & Research. Clinical Obstetrics & Gynaecology, v. 21, n. 2, p.321-329, 2007.

Publicado

01.12.2015

Como Citar

Colla, C., Peña Ghisleni Ghisleni, A. ., & Laureano Paiva , L. (2015). PERFIL DE USUÁRIOS QUE BUSCAM ATENDIMENTO FISIOTERAPÊUTICO PARA INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM UM CENTRO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE. Revista De Saúde Pública De Santa Catarina, 8(03). Recuperado de https://revista.saude.sc.gov.br/index.php/periodicorevista/article/view/156