MORTALIDADE MATERNA EM ADOLESCENTES NO ESTADO DE SANTA CATARINA, 1996 A 2013

Autores

  • Sr. Jean Carlos Bonissoni da Silva
  • Dra. Maria de Lourdes de Souza
  • Lúcio José Botelho
  • Sr. Daniel Ribas dos Santos

Palavras-chave:

Gestantes, Adolescentes, Mortalidade materna

Resumo

O artigo objetiva descrever a mortalidade materna em adolescentes no Estado de Santa Catarina no período de 1996 a 2013. Trata-se de um estudo ecológico de séries temporais, que apresenta dados obtidos no Sistema de Registros de Nascidos Vivos e Sistema de Informações sobre Mortalidade. Foram calculadas as razões de mortalidade materna entre adolescentes de 10 a 19 anos e comparadas com as razões entre 20 e 49 anos em cada ano da série estudada. Na avaliação comparativa por grupo de causas, a maior foi de 77,42% do tipo obstétrica direta para adolescentes e 66,41% para mulheres entre 20 e 49 anos. Concluiu-se que houve uma tendência irregular e diferente entre os dois grupos, com razão mais favorável entre as adolescentes. Na comparação por tipo de causa, houve tendência semelhante entre os dois grupos etários estudados, com maior porcentagem para as obstétricas diretas. A tendência de irregularidade demonstra que a mortalidade materna entre adolescentes ainda não está controlada socialmente.

Biografia do Autor

Sr. Jean Carlos Bonissoni da Silva

Estudante do Curso de Graduação em Medicina da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis (SC), Brasil.

Dra. Maria de Lourdes de Souza

Enfermeira, Doutora em Saúde Pública pela FSP-USP, Professora do PEN-UFSC, Presidente do Instituto REPENSUL, Coordenadora do Projeto Inovação na Atenção aos Dependentes de Substâncias Psicoativas no Estado de Santa Catarina

Lúcio José Botelho

Professor Adjunto do Departamento de Saúde Pública da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis (SC), Brasil.

Sr. Daniel Ribas dos Santos

Médico, graduado pela Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis (SC), Brasil.

Referências

BRASIL. Câmara dos Deputados. CPI da Mortalidade Materna. Relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a incidência da mortalidade materna no Brasil. Brasília: Câmara dos Deputados, 2001. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-temporarias/parlamentar-de-inquerito/51-legislatura/cpimater/relatoriofinal.pdf>. Acesso em: 12 set. 2013.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual dos comitês de mortalidade materna. 3. ed. Brasília, 2007.

______. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica do óbito materno. Brasília, 2009a.

______. Secretaria de Vigilância em Saúde. Portaria nº 116/MS/2009, de 11 de fevereiro de 2009. Regulamenta a coleta de dados, fluxo e periodicidade de envio das informações sobre óbitos e nascidos vivos para os Sistemas de Informações em Saúde sob gestão da Secretaria de Vigilância em Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 12 fev. 2009b. Seção I, p. 37.

______. Conselho Nacional de Saúde. Resolução no 466, de 12 de dezembro de 2012. Estabelece os requisitos para realização de pesquisa clínica de produtos para saúde utilizando seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, 13 dez. 2012.

______. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Sistema de Informação em Saúde. Sistema de Informações sobre Mortalidade: período 1996 a 2013. [2015a]. Disponível em: <http://datasus.saude.gov.br/sistemas-e-aplicativos/eventos-v/sim-sistema-de-informacoes-de-mortalidade>. Acesso em: 12 set. 2015.

______. Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Sistema de Informação em Saúde. Sistema de informações sobre nascidos vivos: período 1996 a 2013. Atualizado em 2015b. Disponível em: <http://datasus.saude.gov.br/sistemas-e-aplicativos/eventos-v/sinasc-sistema-de-informacoes-de-nascidos-vivos>. Acesso em: 12 set. 2015.

ESSCHER, A. et al Maternal mortality in Sweden 1988-2007: more deaths than officially reported. Acta Obstetricia et Gynecologica Scandinavica, v. 92, n. 1, p. 40-46, jan. 2013.

FARR, W. Directions respecting the registration of the causes of deaths. In: Registration of the causes of death. Lancet, v. 40, n. 1028, p. 236-237, May. 1843.

GUPTA, S. D. et al. Maternal mortality ratio and predictors of maternal deaths in selected desert districts in rajasthan a community-based survey and case control study. Womens Health Issues, v. 20, n. 1, p. 80-85, jan./fev. 2010.

LAURENTI, R.; MELLO-JORGE, M. H.; GOTLIEB, S. L. D. Reflexões sobre a mensuração da mortalidade materna. Caderno de Saúde Pública, v. 16, n. 1, p. 23-30, jan./mar. 2000.

MARINHO, A. C. N.; PAES, N. A. Mortalidade materna no estado da Paraíba: associação entre variáveis. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 44, n. 3, p. 732-8, 2010.

NOVE, A. et al. Maternal mortality in adolescents compared with women of other ages: evidence from 144 countries. The Lancet. Global Health, v. 2, n. 3, p. 155-164, mar. 2014.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. 8. ed. São Paulo: Ed. USP, 2000.

RESTREPO-MÉNDEZ, M. C.; VICTORA, C. G. Maternal mortality by age: who is most at risk? The Lancet. Global Health, v. 2, n. 3, p. 120-121, mar. 2014.

SERRUYA, S. J. A morte materna no Brasil: razão e sensibilidade. Revista Brasileira de Ginecologia & Obstetrícia, v. 34, n. 12, p. 531-535, 2012.

WHO EXPERT COMMITTEE ON THE HEALTH PROBLEMS OF ADOLESCENCE. World Health Organization. Problemas de salud de la adolescencia: informe de un comité de expertos de la OMS. Ginebra: OMS, 1965.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. International statistical classication of diseases and related health problems. 10th ed. Geneva: WHO, 1993.

______. Trends in maternal mortality: 1990 to 2010 - WHO, UNICEF, UNFPA and the World Bank estimates. Geneve: WHO, 2012.

Publicado

01.12.2015

Como Citar

Bonissoni da Silva , J. C. ., de Souza, M. de L. ., Botelho, L. J., & Ribas dos Santos, D. . (2015). MORTALIDADE MATERNA EM ADOLESCENTES NO ESTADO DE SANTA CATARINA, 1996 A 2013. Revista De Saúde Pública De Santa Catarina, 8(03). Recuperado de https://revista.saude.sc.gov.br/index.php/periodicorevista/article/view/155