CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS DE AGRICULTORES SOBRE A PREVENÇÃO DO CÂNCER DE PELE

Autores

  • Sra. Camila Bezerra de Araújo Araújo
  • Sra. Paula Christianne Gomes Gouveia Souto Maia Maia
  • Gildenia Pinto Trigueiro Trigueiro
  • Nicoly Negreiros de Siqueira Siqueira
  • Milena Nunes Alves de Sousa Sousa

Palavras-chave:

Prevenção primária, Informação e comunicação em saúde, Câncer de pele, Saúde do trabalhador rural., Agricultor

Resumo

Objetivou-se avaliar os conhecimentos, atitudes e práticas de agricultores quanto a prevenção do câncer de pele. Para tanto, foi realizada pesquisa descritiva, com abordagem quantitativa, e realizada com agricultores do município de Caicó -RN. A amostra do tipo não probabilística por conveniência, foi determinada mediante critérios de inclusão e exclusão, assim, participaram do estudo 34 agricultores (77%), respondendo a um questionário, cujos dados foram analisados mediante estatística descritiva. Os resultados evidenciaram que68% (n=23) dos agricultores eram do sexo masculino, 41% (n=14) na faixa etária superior a 60 anos e 68% (n=23) afirmaram ter ensino fundamental incompleto, 76% (n=26) com renda média de um a três salários. Considerando os conhecimentos sobre o câncer de pele, 70% (n=24) afirmaram conhecer sobre a neoplasia, 56% (n=19) desconhecem os sinais e sintomas e 68% (n=23) disseram possuir entendimento sobre as medidas preventivas, mas 59% (n=20) afirmam fazer uso incompleto ou não utilizar nenhuma proteção contra exposição solar. Ainda, dos entrevistados, 65% (n=22) passam mais de seis horas expostos a radiação solar. Em relação aos casos de câncer na família, 59% (n=20) apontaram ter casos de neoplasia entre membros da família. Concluiu-se que os agricultores tinham conhecimentos sobre o câncer de pele e adotavam medidas preventivas, embora existam fatores de risco como a hereditariedade e a cor da pele, mais susceptível a doença.

 

Biografia do Autor

Sra. Camila Bezerra de Araújo Araújo

Enfermeira pelas Faculdades Integradas de Patos, Patos PB, Brasil.

Sra. Paula Christianne Gomes Gouveia Souto Maia Maia

Coordenadora e Docente do Curso de Me dicina das Faculdades Integradas de Patos, Patos PB, Brasil.

Gildenia Pinto Trigueiro Trigueiro

Docente do Curso de Medicina das Faculdades Integradas de Patos, Patos PB, Brasil.

Nicoly Negreiros de Siqueira Siqueira

Docente do Curso de Medicina das Faculdades Integradas de Patos, Patos PB, Brasil.

Milena Nunes Alves de Sousa Sousa

Orientadora da pesquisa que originou este artigo. Pós Doutoranda em Promoção de Saúde pela Universidade de Franca, Franca SP, Brasil. Docente do Curso de Medicina das Faculdades Integradas de Patos, Patos PB, Brasil.

Referências

ALMEIDA, F. A. Melanoma cutâneo. In: ROTTA, O. Guia de dermatologia clínica, cirúrgica e cosmiátrica, UNIFESP–EPM.Barueri: Manole, 2008.

BULHÕES I. Riscos do trabalho de enfermagem. Rio de Janeiro: UERJ,1998.

CAMPOS, E. C. R. et al.Análise do perfil epidemiológico, clínico e patológico de pacientes portadores de câncer de pele não melanoma tratados no Hospital Universitário Evangélico de Curitiba. Revista do Médico Residente, Curitiba, v. 13, n. 4, p. 251-60, 2011.

COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA EM PESQUISA. Resolução nº 466/12. Dispõe sobre a pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília, 2012.

DURAN, E. C. M.; ROBAZZI, M. L. C. C.; MARZIALE, M. H. P. Conhecimento de enfermagem em saúde do trabalhador oriundo de dissertações e teses. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre,v. 28, n. 3, p. 416-23, 2007.

ESTRADA, O. I. B.; SIERRA, J.A.; GÓMEZ, G.M. Análisisretrospectivo del carcinoma cutáneo tipo basocelular y escamocelular em Bogotá-Colombia: epidemiología, prevención y tratamiento.Revista do Médico Residente, Curitiba,v.57, n. 1, p. 40-48, 2009.

FERREIRA, F. R.; NASCIMENTO, L. F. C. Câncer cutâneo em Taubaté (SP): um estudo de prevalência Brasil, de 2001 a 2005. Anais Brasileiros de Dermatologia,Rio de Janeiro, v. 83, n. 4, p. 317-22, 2008.

FERREIRA, F. R.; NASCIMENTO, L. F. C.; ROTTA, O. Fatores de risco para câncer da pele não melanoma em Taubaté, SP: um estudo caso-controle.Revista daAssociação Médica Brasileira, São Paulo,v. 57, n. 4, p. 431-7, 2011.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER. Ações de enfermagem para o controle do câncer: uma proposta de integração ensino-serviço. 3. ed. Rio de Janeiro, 2008.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER. Estimativa 2014: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro, 2014a.

INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER. Câncer de pele. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2014b.

IRIART, J. A. B. et al. Representações do trabalho informal e dos riscos à saúde entre trabalhadoras domésticas e trabalhadores da construção civil. Ciência &Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p.165-74,2008.

LAGES, R. B. et al. Detecção precoce do câncer de pele: Experiência de campanha deprevenção no Piauí-Brasil. Revista Brasileira em Promoção de Saúde, Fortaleza, v. 25, n. 2, p. 221-227, 2012.

POPIM, R. C. et al. Câncer de pele: uso de medidas preventivas e perfil demográfico de um grupo de risco na cidade de Botucatu. Ciência &Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p.1331-1336, 2008.

SILVA, L. R.; BOTELHO, A. C. F. Proteção solar para crianças: estudo preliminar sobre conhecimentos e atitudes dos pais. Revista Ciência & Saúde, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 2-6, 2011.

SIMÕES, T. C. et al. Medidas de prevenção contra câncer de pele em trabalhadores da construção civil: contribuição da enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 32, n. 1, p. 100-106, 2011.

VIDRIO, R. M. G.; LOZANO, N. C.Confrontando al melanoma em el siglo XXI. Medicina CutâneaIbero-Latino-Americana,n. 35, p. 3-13, 2007.

Publicado

01.12.2015

Como Citar

Bezerra de Araújo Araújo, C., Gomes Gouveia Souto Maia Maia, P. C. ., Pinto Trigueiro Trigueiro, G. ., Negreiros de Siqueira Siqueira, N. ., & Nunes Alves de Sousa Sousa, M. . (2015). CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS DE AGRICULTORES SOBRE A PREVENÇÃO DO CÂNCER DE PELE. Revista De Saúde Pública De Santa Catarina, 8(03). Recuperado de https://revista.saude.sc.gov.br/index.php/periodicorevista/article/view/153