Políticas Editoriais

Foco e Escopo

A Revista de Saúde Pública de Santa Catarina tem como objetivo divulgar informações relevantes na área de Saúde Pública, promovendo a integração de trabalhadores, discentes, docentes e pesquisadores que atuam no Sistema Único de Saúde (SUS). Com o intuito de propiciar acesso aos Artigos originais, Artigos de revisão, Relatos de experiências/Intervenção, propõe a troca de informações e o debate sobre as questões atuais e temas emergentes na áre de saúde pública. Entende-se por Saúde Pública "a dimensão histórica de intervenção do Estado na área social, de forma mais ampla e complexa do que a definida pelas diretrizes sanitárias oficiais" (MINAYO, 2007, p. 28).

 

Políticas de Seção

Artigos Originais

Artigos teóricos e técnicos abordando o conhecimento e as experiências sobre:

• Políticas e Gestão do trabalho no SUS;
• Atenção em/na saúde;
• Controle social;
• Vigilância em saúde;
• Políticas e humanização em/na saúde;
• Tecnologias aplicadas em/na Saúde;
• Intervenções em/na Saúde.

Os Artigos Originais configuram pesquisas que enfatizam a originalidade do estudo, dentre outros, descritos de forma compreensiva e completa, as quais o classificam nesta modalidade de artigo. O manuscrito é resultante de pesquisa, preferencialmente, concluída, apresentando estudos inéditos e inovadores, considerando o estado da arte e/ou fundamentação metodológica diferenciada e singular no meio científico. Por isso, é pertinente o devido destaque à fundamentação teórico-metodológica, incluindo, a descrição da aplicação de todas as técnicas de pesquisa empregadas. Também, da discussão dos resultados e conclusões do trabalho, itens nos quais, a autora (s) e/ ou os autor (es) do manuscrito confrontam, de forma contextualizada, o estado da arte e os dados coletados e tratados (pelas técnicas de pesquisa), apresentando as considerações e conclusões obtidas. Estão incluídos, nesta categoria, os Ensaios Clínicos, os quais são tratados, conforme a ANVISA RDC 09 (2015, p. 05):

... pesquisa conduzida em seres humanos com o objetivo de descobrir ou confirmar os efeitos clínicos e/ou farmacológicos e/ou qualquer outro efeito farmacodinâmico do medicamento experimental e/ou identificar qualquer reação adversa ao medicamento experimental e/ou estudar a absorção, distribuição, metabolismo e excreção do medicamento experimental para verificar sua segurança e/ou eficácia.

 

Os Artigos Originais são realizados de maneira contextualizada, com objetividade e aporte teórico. Na sua estrutura, os Artigos Originais, apresentam:

O Resumo, que expõe breves e concretas informações sobre o objeto do trabalho acadêmico, exibindo sucintamente, o Tema, o Objetivo, os Fundamentos Metodológicos, a Discussão e os Resultados, Conclusão, de forma contínua e dissertativa, em apenas um parágrafo.

A Introdução deve ser breve e, de forma clara, apresentar o Tema, o Objetivo Geral, a problemática e justificativa da pesquisa, expondo, brevemente, os fundamentos metodológicos empregados para realizar o estudo. Abrange, a descrição do contexto de abordagem, das técnicas de pesquisa aplicadas e dos resultados observados, além das considerações tecidas a partir dos mesmos.

O Referencial Teórico fornece o devido aporte, contextualizando o Estado da Arte em relação ao Tema de pesquisa, com as devidas referências. Consiste em parte fundamental do manuscrito, necessitando ser elaborado de forma concisa e clara, visto que fornece a exposição ordenada, detalhada e referenciada do assunto. Deve ser exposto com clareza e em congruência ao tema de pesquisa, pertinente à problemática formulada, bem como, ao seu objetivo.

Os Fundamentos Metodológicos elucidam (não somente, descrevem) o Método, a Natureza, a Profundidade e Amplitude da pesquisa, assim como, as técnicas de pesquisa utilizadas para coletar e tratar os dados, com as devidas referências e justificativas para a sua adoção. Além disso, expõem onde, quando e como foi realizada a investigação, além do contexto de aplicação das Técnicas de Pesquisa. Os procedimentos metodológicos devem estar alinhados ao objetivo geral do estudo e passível de responder à problemática de pesquisa, sendo importante, explorá-la por meio das estratégias gráficas, tais como, os esquemas.

A Discussão/ Resultados apresenta contextualização da investigação em função dos dados obtidos e tratados pelas técnicas de pesquisa, confrontadas àquelas obtidas no embasamento teórico/ estado da arte. Neste item serão apreciadas a clareza dos resultados e a síntese das conclusões mais relevantes. A interpretação que a (s) autora (s) e/ ou autor (es)realiza, na análise dos resultados obtidos, deverá ser adequada e coerente ao proposto, inicialmente (objetivo e resposta à problemática). Os resultados devem ser relacionados em uma sequência lógica, enfatizando as questões inovadoras e, importantes do estudo, bem como, as conclusões emergentes destes, no item a seguir.

Conclusões ou considerações finais apresenta a ponderação sobre o alcance dos objetivos explicitados e uma síntese dos resultados evidenciará as conclusões sobre a análise e discussão dos dados obtidos. As questões mais importantes, neste item, referem-se ao interesse e a relevância, nas quais são apresentadas as conclusões e os resultados da pesquisa para a prática profissional, e de que maneira podem ser aplicados em outras situações similares. Em concordância ao item anterior, a reflexão critica por parte dos autores (as) diante das limitações da pesquisa e exposição de propostas alternativas enriquecerá a contribuição do artigo para a comunidade científica, em geral.

Em relação ao Ensaio Clínico, orienta-se, para o embasamento de sua estrutura, as “Diretrizes para Relatórios” voltados para os estudos  observacionais, os estudos experimentais ou quase-experimentais e as avaliações de tecnologias em saúde (pertinentes a este tipo de artigo), disponíveis no link https://www.equator-network.org/. Além disso, observar, onde (local do estudo), quando e como ocorreu a pesquisa clinica, além do contexto de aplicação das Técnicas de Pesquisa apresentando, quando pertinente: a) Fator de risco, em doenças raras: estudo de casos e controles; b) História natural de determinada doença ou de doenças decorrentes de uma determinada exposição: estudo prospectivo de coortes ou ainda evoluções clínicas de pacientes tratados clinicamente ou operados; c) Conduta terapêutica clínica, cirúrgica, preventiva ou diagnóstica; d) Resposta conclusiva sobre o efeito de determinadas condutas, tomando-se como base as melhores evidências disponíveis; e) Critérios de inclusão e exclusão; f) Definição de variáveis independentes e variáveis dependentes; f) Cálculo do tamanho amostral baseado no número de casos que serão necessários para que se possa responder à pergunta do estudo, embasado em um cálculo e fórmulas dos intervalos de confiança; g) Definição da proporção esperada dos desfechos no grupo controle e o nível de redução esperado na mesma proporção no grupo experimental; h) Cálculo do tamanho da amostra com a fórmula requerida para cada modelo de estudo. Descrever em detalhes como os dados serão colhidos. i) Análise estatística, apresentando os dados alcançados para responder à problemática e, o cálculo do tamanho da amostra em relação às proporções de eventos no grupo tratado; j) Relação das considerações éticas na condução do estudo; k) Reflexão critica e exposição de propostas alternativas por parte das (os) autoras (es) diante das limitações do Ensaio Clinico, enriquecendo a contribuição do artigo para a comunidade científica (ATALLAH, 2002; BRASIL, 2010; RDC nº 9, 2015).

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Relatos de Experiências/ Intervenção

Artigos teóricos e técnicos abordando o conhecimento e as experiências sobre: 

  • Políticas e Gestão do trabalho no SUS;
  • Atenção em/na saúde;
  • Controle social;
  • Vigilância em saúde;
  • Políticas e humanização em/na saúde;
  • Tecnologias aplicadas em/na Saúde;
  • Intervenções em/na Saúde.

O Relato versa sobre a exposição de vivências acadêmicas, assistenciais e de extensão. Contribui de forma relevante (mediante justificativas) para a construção do conhecimento sobre determinado assunto, trazendo as motivações ou desenho metodológico condizente para as ações desenvolvidas, bem como, as considerações/impressões que a Experiência ou a Intervenção trouxeram àquela (e) que a vivenciou/ aplicou. O relato é elaborado de modo contextualizado, com objetividade e aporte teórico. Em outras palavras, não é uma narração emotiva/ subjetiva, nem uma mera divagação pessoal e aleatória. Consiste em um trabalho científico, deve manter a impessoalidade e a credibilidade científica (isto é, sem o envolvimento emocional), requerido por um artigo científico. Aborda, a partir da vivência, sobre a qual se relata e reflete as  considerações significativas da área de estudo, na qual se situa o Tema de Pesquisa, pela (s) autora (s) e/ ou autor (es). Não se restringe em mera descrição da circunstância abordada, deve estabelecer ponderações e reflexões, embasadas na experiência relatada e no seu respectivo aparato teórico/ metodológico. Deve contribuir para a construção e disseminação do conhecimento, ampliando o efeito da experiência relatada, potencializando-a como fonte de pesquisa e referencial para embasar outros estudos e vivências (que deve ser realizado no Item de Resultados). As Intervenções Propositivas podem atender aos ditames deste item. Na sua estrutura, o Relato de Experiência/ Intervenção inclui:

O Resumo que expõe breves e concretas informações sobre o objeto do trabalho acadêmico, exibindo sucintamente, o Tema, o Objetivo, os Fundamentos Metodológicos, a Discussão e os Resultados, Conclusão de forma contínua e dissertativa, em apenas um parágrafo.

A Introdução deve ser breve e, de forma clara, apresentar o Tema, o Objetivo Geral da vivência, a problemática e justificativa da pesquisa. Expõe, brevemente, os fundamentos metodológicos empregados para realizar tal experiência, incluindo a descrição do contexto de inserção da pesquisa, das técnicas de pesquisa aplicadas e dos resultados obtidos, além das considerações tecidas a partir dos mesmos. Caso a Introdução comporte o referencial teórico, nomeá-lo como “Introdução e Referencial Teórico”, acrescentando as orientações do item, a seguir.

O Referencial Teórico (opção por prevê-lo em item distinto ou integrado à Introdução) oferece o embasamento e a contextualização do Estado da Arte em relação ao Tema, de forma ordenada, detalhada e referenciada. Apresenta clareza e congruência ao assunto do Relato, contextualizando sobre as palavras chaves da problemática formulada, a qual está na origem da experiência e dos objetivos desta. É importante evidenciar se houve utilização de outros trabalhos de intervenção sobre o mesmo tipo de problemática ou com objetivos similares, referenciando-os, adequadamente.

Os Fundamentos Metodológicos expõem (não somente, descrevem) o Método, a Natureza, a Profundidade e Amplitude da pesquisa, assim como, as técnicas de pesquisa utilizadas para coletar e tratar os dados, com as devidas referências e justificativas para a sua adoção. Além disso, expõem onde, quando e como ocorreu a experiência, além do contexto de aplicação das Técnicas de Pesquisa. Os procedimentos propostos devem ser adequados à experiência/ intervenção, alinhados à problemática e aos objetivos almejados pelo estudo. Deve-se priorizar o uso de figuras para ilustrar todo o processo, considerando a aplicação das Técnicas de Pesquisa para levantar e tratar os dados.

A Discussão/ Resultados apresenta contextualização da experiência vivida em função das informações levantadas e tratadas pelas técnicas de pesquisa, confrontadas àquelas obtidas no embasamento teórico. A relevância do relato de experiência está na pertinência e importância dos problemas expostos. Também, na aplicação dos procedimentos metodológicos, nos resultados da intervenção em outras situações similares (expostos na Fundamentação Teórica), colaborando com a práxis metodológica da área, à qual pertence. Realiza uma interface entre a expectativa e o vivido, a exposição do que foi observado e no que resultou a experiência: descobertas, facilidades, dificuldades e recomendações, etc, principalmente, realizando uma reflexão crítica sobre a experiência vivida versus teoria. Neste item serão observadas, a clareza dos resultados e a síntese das conclusões mais relevantes. A interpretação que a (s) autora (s) e/ ou autor (es)  realiza, na análise dos resultados obtidos, deverá ser adequada e coerente com o proposto inicialmente (objetivo e resposta à problemática).

Conclusões ou considerações finais ponderando sobre o alcance dos objetivos explicitados e uma síntese dos resultados, explanando  as conclusões sobre a análise e discussão dos dados obtidos. Destacam-se, as áreas de interesse, as quais se beneficiarão com os resultados da pesquisa, tais como, a prática profissional e área acadêmica, e de que maneira podem ser aplicados em outras situações similares, por exemplo. Em concordância ao item anterior, a reflexão critica  da (s) autora (s) e/ ou autor (es), diante das limitações da intervenção e exposição de propostas alternativas, enriquecerá a contribuição do relato de experiência para a comunidade científica, em geral.

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Artigo de Revisão Sistemática

Artigos teóricos e técnicos abordando o conhecimento e as experiências sobre: 

  • Políticas e Gestão do trabalho no SUS;
  • Atenção em/na saúde;
  • Controle social;
  • Vigilância em saúde;
  • Políticas e humanização em/na saúde;
  • Tecnologias aplicadas em/na Saúde;
  • Intervenções em/na Saúde.

Os Artigos de Revisão são aqueles que resumem, analisam e discutem informações já publicadas em outros documentos, empregando pesquisa bibliográfica e/ou documental que possam contribuir para o embasamento de  outras pesquisas. Apresenta, um resumo abrangente da pesquisa sobre um determinado tema e uma perspectiva sobre o estado da arte e as particularidades de sua evolução. As Revisões costumam ser amplamente lidas, por autoras (es) que buscam situar-se em um determinado nicho do conhecimento (na pesquisa científica) sendo, largamente citadas, por apresentar dados de fontes secundárias, obtidas pela técnica de pesquisa bibliográfica.

O Artigo de Revisão possui o desígnio de levantar informações de fontes confiáveis selecionadas a partir de justificativas, as quais são organizadas, e analisadas criticamente, para expor as conclusões da (s) autora (s) e/ ou autor (es). Busca integrar o maior número de evidências consistentes para expor conclusões científicas, fundamentadas em base metodológica coerente. Os  seus  resultados  não  devem apresentar uma  simples  relação  cronológica  ou  uma  exposição linear e descritiva da temática, mas um trabalho reflexivo, crítico e compreensivo a respeito das evidências analisadas. O Artigo deve explicitar sua relevância (justificativas) para a construção do conhecimento sobre o Tema, o qual aborda, propondo o desenho metodológico condizente para as ações desenvolvidas. A meta-análise (estatística) pode ser utilizada para o tratamento dos dados originários da revisão sistemática (reunião, avaliação crítica e sintética de resultados de estudos diversos), apoiando as conclusões sobre os resultados dos estudos selecionados, que por sua vez, devem ter esta seleção, justificada.

Na sua estrutura, o Artigo de Revisão Sistemática apresenta:

O Resumo que, expõe breves e concretas informações sobre o objeto de pesquisa e, sucintamente: o Tema, os Objetivos, os Fundamentos Metodológicos, a Discussão e os Resultados, Conclusão de forma contínua e dissertativa, em apenas um parágrafo.

A Introdução fornece uma síntese do estudo, situando, teoricamente, a temática que será abordada, indicando a existência ou não de revisões anteriores que justifiquem a nova proposta de revisão. Como elemento importante deste item, deve ser apontada a problemática de pesquisa e as hipóteses, se for o caso. Ainda, de forma clara, apresentar o Tema, o Objetivo Geral, as justificativas da pesquisa, expondo, brevemente, os fundamentos metodológicos empregados, incluindo, as técnicas de pesquisa aplicadas e os resultados observados, além das considerações tecidas a partir dos mesmos. Caso a Introdução comporte o referencial teórico, nomeá-lo como “Introdução e Referencial Teórico”, acrescentando as orientações do item, a seguir.

O Referencial Teórico (opção por prevê-lo em item distinto ou integrado à Introdução) fornece o embasamento e contextualiza o Estado da Arte em relação ao Tema, de forma ordenada, detalhada e referenciada. Apresenta clareza e congruência ao assunto da Revisão sistemática, buscando contextualizar sobre as palavras chaves da problemática formulada.

Os Fundamentos Metodológicos expõem (não somente, descrevem) o Método, a Natureza, a Profundidade e Amplitude da pesquisa, assim como, as técnicas de pesquisa utilizadas para coletar e tratar os dados, com as devidas referências e justificativas para a sua adoção. Devem ser exibidas, de forma clara e lógica: a) escolha das bases de dados e as estratégias de busca; b) a exposição dos descritores para a seleção do material; c) o período da busca; d) critérios de inclusão e exclusão relacionados à extração dos dados dos artigos escolhidos; e)  avaliação dos artigos; f) síntese e interpretação dos dados. Deve-se priorizar o uso de figuras para ilustrar todo o processo, considerando a aplicação das Técnicas de Pesquisa para levantar e tratar os dados. Os procedimentos propostos devem ser adequados à problemática e aos objetivos almejados pelo estudo.

A Discussão/ Resultados, expõe, coerentemente, a gama de resultados proveniente dos estudos analisados, considerando uma síntese narrativa e/ ou estatística. É importante expor as limitações da revisão, envolvendo a generalização ou não dos resultados, as considerações sobre outras sínteses em função dos resultados obtidos e possibilidade de encontrar outros resultados com o uso de outros descritores e/ou base de dados. Apresenta a contextualização das informações levantadas e tratadas pelas técnicas de pesquisa, confrontadas àquelas obtidas no embasamento teórico, realizando ponderações sobre a amostra final, frente aos critérios de inclusão/ exclusão, previamente, estabelecidos. É relevante ponderar sobre as descobertas, as facilidades, as dificuldades e as recomendações, etc, principalmente, realizando uma reflexão crítica sobre os resultados obtidos, de modo adequado e coerente ao proposto pelo objetivo e resposta à problemática.

Conclusões ou considerações finais apresentam uma ponderação sobre o alcance dos objetivos explicitados e uma síntese dos resultados, evidenciará as conclusões sobre a análise e discussão dos dados obtidos. As questões mais importantes neste item referem-se ao interesse e a relevância. Em concordância ao item anterior, a reflexão critica por parte dos autores (as) diante das limitações do estudo e exposição de sugestão de pesquisas futuras enriquecerá a contribuição desta comunidade científica, em geral.

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares
 

Processo de Avaliação pelos Pares

Os originais deverão ser submetidos à aprovação dos avaliadores e avaliadoras, atendendo aos seguintes eixos norteadores: Políticas e Gestão do trabalho no SUS; Atenção em/na saúde; Controle social; Vigilância em saúde; Política de humanização em saúde; Tecnologias aplicadas à Saúde; Intervenções em/na Saúde. Dentre os autores, deve haver, um, no mínimo com a titulação de "Doutor". Os artigos deverão ser submetidos por meio da plataforma da revista, cadastrando-se como autor e na sequência, deverá seguir os passos de submissão. O processo de avaliação envolve a avaliação de um ou dois especialistas "ad hoc" e dos membros da Equipe Editorial. Será usada a avaliação por pares as cegas. Os originais poderão ser: Aceitos integralmente; Revisões requeridas, Submeter a nova rodada, Rejeitar. Quando houver a necessidade de alterações referentes apenas a questões gramaticais e ortográficas mínimas, e/ou de ordem normativa, com vistas a manter a homogeneidade da publicação, a Comissão Editorial poderá fazê-las, respeitando o estilo do autor (es) ou autora (s). Nos demais casos, estes deverão reformular o manuscrito, conforme o solicitado pelos avaliadores e avaliadoras e/ ou a Comissão Editorial. A RSPSC não se responsabiliza ou endossa as opiniões emitidas pelos autores dos textos nela publicados, salientando que, estas são de sua exclusiva responsabilidade.

 

Periodicidade

A Revista de Saúde Pública de Santa Catarina possui como forma de  comunicação científica, a publicação individualizada de artigos após aprovados e editados, sem esperar a composição de um novo número. Isto, tendo em vista a aceleração da publicação considerada como um dos aperfeiçoamentos-chave dos periódicos. No modelo de fluxo contínuo, uma vez que o artigo tenha sido aprovado para publicação, pode ser imediatamente disponibilizado no site da revista, não sendo necessário esperar o fechamento da edição. Esse processo confere agilidade para as publicações, organizando o trabalho do Editora-Gerente ao longo do ano.

 

Política de Acesso Livre

A Revista de Saúde Pública de Santa Catarina é um Periódico Cientifico de publicação contínua e acesso público. Os prazos para submissão dos artigos deverão ocorrer, no mínimo, até 30 antes da sua publicação.

 

Arquivamento

Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais...